importação dos Estados Unidos

Principais produtos importados dos Estados Unidos

O volume de importações realizadas pelo Brasil tem como origem principal a China e os Estados Unidos, seguidos por Argentina, Alemanha e Coréia do Sul – de acordo com os dados apresentados pelo Observatório da Complexidade Econômica (EOC) um projeto conduzido pela MIT Media Lab.

Para dar continuidade à série de artigos que explica a relação comercial entre Estados Unidos e Brasil, analisaremos as informações concedidas pelo EOC em 2017 e sintetizaremos a lista de produtos mais importados.

Os produtos mais importados dos Estados Unidos

Ainda que as importações brasileiras totalizassem U$ 140 bilhões, as advindas dos Estados Unidos totalizaram U$ 20,4 bilhões. Confira a lista composta por produtos americanos:

  1. Petrolíferos Refinados (29%);
  2. Briquetes de Carvão (4,4%);
  3. Álcool superior a 80% Abv (4,1%);
  4. Medicamentos Embalados (3,4%);
  5. Petróleo (3%);
  6. Mineral Mista ou Fertilizantes Químicos (3%);
  7. Pesticidas (2,5%);
  8. Sangue Humano ou Animal (2,5%);
  9. Peróxidos de Sódio ou de Potássio (2,4%);
  10. Polímeros de Etileno (2,2%).

Para facilitar a compreensão do estudo, esses produtos foram classificados em categorias. A despeitos dos números apresentados, as 5 categorias que tiveram maior volume de importação em sua totalidade foram:

  • Produtos Minerais (U$7.72B)
  • Produtos Químicos (U$ 5.36B)
  • Máquinas (U$ 2.13B)
  • Plásticos e Borrachas (U$ 1.69B)
  • Alimentos (U$ 1.07B)

Acompanhando os dados apresentados, podemos identificar diferentes oportunidades para players que atuam no mercado de importação.

Categorias X Produtos mais importados dos Estados Unidos

Apesar do top 10 de produtos mais importados, a análise do EOC é constituída por 775 itens. Sendo assim, podemos destacar outras mercadorias advindas dos Estados Unidos dentro das categorias com maior volume de importação para o Brasil.

No caso de produtos minerais e produtos químicos a lista está clara. Porém, para máquinas, plásticos e borrachas, e alimentos existem outras possibilidades que não foram citadas. Confira a seguir outros produtos que compõem essas categorias:

Máquinas

  • Equipamentos de Transmissão
  • Unidades de Disco Digital
  • Turbina a Gás
  • Motores de Ignição Comandada
  • Bombas de Líquidos

Plásticos e Borrachas

  • Polímeros de Etileno
  • Poliacetais
  • Borracha Sintética
  • Folhas de Plástico Raw
  • Celulose

Alimentos

  • Álcool > 80%Abv
  • Outras preparações alimentícias
  • Alimento de Animal
  • Chocolate
  • Bebida Branca

Atente-se para legislação e regulamentação brasileira

A lista de produtos dentro de cada uma das categorias acima é grande. Entretanto é preciso atentar-se para a legislação, normas e regulamentos que estabelecem como deve ocorrer a transação. Um desses exemplos é a ANVISA, que fiscaliza questões sanitárias para importação de agrotóxicos; alimentos; medicamentos; sangue, tecidos, células e órgãos, entre outros produtos.

No caso de alimentos, a quinta categoria com maior volume de importação, a fiscalização é executada pela ANVISA e pelo MAPA – Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Além disso, requer o registro obrigatório no Siscomex e o Licenciamento de Importação (LI) para o desembaraço da carga.

Portanto, antes de importar qualquer produto, atente-se para sua composição química. E para sanar incertezas, solicite análises técnicas para que a sua operação ocorra dentro dos padrões brasileiro. Consultar um profissional especializado é também uma ótima medida preventiva.

Importar dos Estados Unidos pode ser vantajoso para seu negócio

Como você deve ter notado, existem muitas opções de produtos importados de origem dos Estados Unidos. Porém, recomendamos a análise de viabilidade de sua transação. Antes de fechar um negócio, verifique: os custos, os impostos e taxas, a legislação, os concorrentes, as documentações necessárias, e as informações da mercadoria.

Um ponto muito importante a ser considerado é a logística internacional, principalmente dentro do território americano, devido às suas proporções continentais. Vale a pena negociar ao extremo com seus fornecedores na logística e também com o próprio exportador, para buscar um Incoterm mais favorável a você importador.

Caso você esteja em busca de outras matérias sobre a relação de importação e exportação entre o Brasil e Estados Unidos, acesse o blog da Venus Cargo. Nele você encontra orientações sobre o Sistema Geral de Preferências dos Estados Unidos, possibilidades de transporte, e o Registro TSA – Known Shipper.

E caso tenha dúvidas, entre em contato com a nossa equipe ou deixe o seu comentário! Até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *