Navio encalhado no Canal de Suez e os impactos para o comércio exterior

Uma notícia peculiar se tornou popular no noticiário do mundo todo nos últimos dias: um navio gigante ficou encalhado no canal de Suez, impossibilitando a passagem de navios dos dois sentidos.

Mas como o evento pode impactar o comércio internacional? Nesse artigo vamos comentar sobre os transtornos provocados pelo encalhamento do Ever Given por seis dias.

A importância do canal de Suez

O canal de Suez é uma via marítima navegável, pela qual passam dezenas de embarcações todos os dias. Trata-se de uma rota artificial, criada no Egito, mais precisamente entre o mar Mediterrâneo e o mar Vermelho.

A via é extremamente importante para o comércio internacional, na medida em que permite a comunicação direta entre a Europa e a Ásia. Boa parte do transporte de mercadorias global se utiliza do canal de Suez.

Estima-se que cerca de 12% do comércio global depende do canal. Para se ter uma ideia, 1 milhão de barris de petróleo e 8% do gás natural comercializado no mundo passam pelo canal diariamente.

Para a economia do Egito, o canal representava até o ano de 2019 2% do Produto Interno Bruto (PIB). E os produtos fruto de importação e exportação movimentam a economia global.

Caso optem por uma rota alternativa – contornando todo o continente africano – as embarcações teriam pela frente aproximadamente 6,5 mil km extras a serem percorridos. O tempo de percurso aumenta em oito dias e há consumo adicional de combustível, o que impacta tanto no custo quanto na maior emissão de poluentes.

Os números do bloqueio

O encalhamento do navio Ever Given no canal de Suez gerou e continua gerando prejuízos milionários. Com 400 metros de comprimento e 219 mil toneladas, a embarcação ficou atravessada pelo canal.

De acordo com a Autoridade do Canal de Suez (ACS), o custo gerado pelo bloqueio do canal é de 14 a 15 milhões de dólares por dia. Algo em torno de R$80 a 86 milhões de reais, em cotação atual.

Os impactos nas importações e exportações

Além do grande prejuízo com a espera para a passagem pelo canal – diversas embarcações permaneceram aguardando o desbloqueio da passagem, dos dois lados –, existem também impactos no comércio internacional como um todo.

De acordo com especialistas do segmento, reflexos podem ser sentidos nos prazos de entrega das mercadorias, custos extras com transporte e elevação no preço do contêiner.

O preço do petróleo disparou 5% com a notícia do bloqueio da via, uma resposta rápida dos players globais, frente as preocupações geradas sobre o fornecimento do produto.

Ainda de acordo com especialistas, a notícia do bloqueio surgiu em um momento de descompasso de entre a oferta e a demandado comércio mundial, decorrente da pandemia. A falta de fluidez de comércio mundial desequilibrou a distribuição de containers no mundo. Comentamos sobre o impacto desse acontecimento no texto: Frete Internacional em Alta Entenda os Impactos

Antes do navio encalhar no Canal de Suez estávamos vivenciando o início da normalização desse processo com a volta dos containers e normalização dos estoques na China. Porém, nesse novo cenário podemos voltar a vivenciar um impacto na distribuição de containers gerando novos aumentos no frete internacional, podendo ocorrer tal problema tanto na China quanto na Europa, onde já estava sendo vivenciada a falta de containers, principalmente nos países do mediterrâneo.

Os impactos se tornam ainda mais evidentes quando consideramos que muitas mercadorias nacionais dependem do canal de Suez. É o caso da soja proveniente do Mato Grosso, que utiliza o trajeto para exportar para o Oriente Médio e alguns países europeus.

Dessa forma, a notícia foi duplamente dura para as empresas que atuam no comércio internacional.

De acordo com a seguradora alemã Allanz, o custo do bloqueio da rota, para o comércio exterior global, pode ser de 6 a 10 bilhões de dólares. Agora, com a liberação do canal para o tráfego de navios, é preciso acompanhar o cenário global, para confirmar as estimativas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *