É possível reduzir os custos de importação?

Os custos de importação têm aumentado para muitos setores da economia no Brasil no último ano, principalmente, em decorrência da pandemia do coronavírus. Nos seus primeiros meses, houve uma paralisação das operações, fazendo com que posteriormente a demanda aumentasse enormemente.

Com o início da vacinação no país e em todo o mundo, a tendência é que a situação se estabilize, mas só no longo prazo, já que os reflexos da pandemia ainda persistem. A boa notícia é que mesmo nesse cenário, é possível reduzir os custos de importação.

Quer saber como? Então, continue lendo este artigo e confira as dicas e informações presentes nos tópicos a seguir.

  • Importação e os desafios atuais para empreendedores
  • Dicas para redução de custos de importação
  • Como o estudo de mercado ajuda a reduzir custos

Importação e os desafios atuais para empreendedores

Atualmente, os empreendedores que importam produtos estão se vendo em meio a inúmeros desafios. Antes mesmo da pandemia do coronavírus prejudicar o fluxo de importações, devido à paralisação resultante da quarentena imposta em todo o mundo, os custos para importar eram altos.

À medida que as operações voltaram a acontecer, os custos de importação para alguns setores foram reduzidas, para facilitar a compra de produtos essenciais. Porém, ao mesmo tempo, a demanda aumentou significativamente, fazendo que com persistisse o alto custo para comprar do exterior.

Mesmo que muitos países já consigam vislumbrar o controle da pandemia em decorrência da vacinação da população, os desafios para os empreendedores que importam continuam. Isso se dá por diversos fatores, inclusive, por conta dos congestionamentos nos portos na China nos últimos meses.

Os principais portos chineses foram fechados por poucos dias, depois de identificados surtos de Covid-19. O transtorno causado já foi o suficiente para formar imensas filas de navio esperando para embarcar e desembarcar produtos. Isso significa que os desafios não são apenas financeiros.

Dicas para redução de custos de importação

Apesar dos desafios atuais para os empreendedores, é possível reduzir os custos de importação. Veja a seguir as principais dicas:

  • Busque pelos benefícios fiscais

Existem estados brasileiros que oferecem benefícios fiscais para empresas de determinados segmentos de mercado e que atendam certos requisitos. O mesmo é feito pelo governo federal em algumas circunstâncias. Mas o benefício nem sempre é automático e o empresário deve se inscrever para obtê-lo.

Assim, uma forma de reduzir os custos de importação é verificando se o que negócio se enquadra em algum benefício fiscal.

  • Escolha o modal mais econômico

Outra dica para gastar menos ao importar é analisando o frete internacional mais econômico, que depende do modal utilizado. Ou seja, do meio de transporte que vai transportar as mercadorias adquiridos no exterior.

É possível escolher entre o modal marítimo, aéreo, rodoviário, entre outros, sendo que a variedade pode depender do país da onde se está comprando. De todo o modo, é importante pesquisar o mais vantajoso para o orçamento do importador.

  • Analise o lote econômico

O chamado lote econômico também contribui com a redução de custos de importação, pois ele consiste na quantia ideal de produtos para comprar do exterior. Para tanto, é preciso adquirir uma quantidade suficiente que ajude a reduzir o custo unitário, mas sem que haja uma compra excessiva de itens.

Para definir o melhor lote econômico, é importante negociar com o fornecedor e contar com um bom planejamento.

  • Procure fazer a consolidação de carga

Empresas que importam de mais de um fornecedor podem reduzir despesas com a consolidação de carga. Dessa maneira, em uma única importação é possível juntar cargas de diferentes fornecedores, o que consiste em pagar o relativo a uma única operação.

Mas para que seja realmente vantajoso é preciso analisar a viabilidade logística para as cargas se encontrarem antes de iniciarem a viagem para o Brasil.

  • Compre dos parceiros comerciais do país

O Brasil possui diferentes parceiros comerciais, para os quais as taxas de importação são mais vantajosas. Além disso, por estarem acostumados a vender para as empresas brasileiras, esses parceiros oferecem condições especiais e já estão mais familiarizados com as nossas necessidades.

  • Tenha a documentação completa

Estar com toda a documentação em dia para uma operação de importação é outra dica para economizar. Afinal, quando isso não ocorre, a empresa corre o risco de pagar multas aduaneiras, o que vai aumentar os custos da importação.

  • Considere utilizar as zonas secundárias

Mais uma dica é realizar o desembaraço aduaneiro em zonas secundárias, como os portos secos, EADI ou CLIA, que consistem em locais alfandegados de uso público que recebem a estrutura da Receita Federal e dos demais órgãos envolvidos nas importações.

Nelas, a armazenagem de mercadorias é mais barata, bem como podem ficar por mais tempo, sem contar que o desembaraço ocorre em um tempo menor. Para alguns casos pode ser vantajoso.

Como o estudo de mercado ajuda a reduzir custos

Além das dicas para tornar possível reduzir os custos de importação, é essencial que haja um estudo de mercado para contribuir com a economia das operações. O estudo consiste em fazer todas as pesquisas necessárias e estar bem informado sobre como funciona comprar do exterior.

Nesse processo, o empreendedor não só fica a par dos pormenores que envolvem a importação, reduzindo as chances de ocorrerem problemas e divergências que podem causar prejuízo, como também descobre quais são as melhores escolhas a fazer na hora de importar.

A partir do estudo de mercado, consegue-se ainda realizar um planejamento logístico eficiente, que permite encontrar os fornecedores com os preços mais competitivos e executar as operações de maneira adequada. Importar do jeito certo também é uma forma de reduzir custos.

Para ajudar nesse processo, o empreendedor pode contar com os serviços de empresas especializadas em logística e comércio exterior em todas as fases da operação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *