O que o empreendedor pode aprender com a China: De imitador para inovador

Diferente do que acontecia há alguns anos, os produtos chineses não são mais sinônimos de mercadorias com baixa qualidade. Isso se deve ao fato do país ter investido fortemente nos últimos anos em pesquisa e desenvolvimento.

Dessa forma, a China chegou ao patamar de potência mundial empreendedora. Afinal, basta olhar a grande variedade de produtos que são importados do país, em sua casa, aliás, é bem possível que haja muitos deles. E não apenas quinquilharias, como também artigos que recebem alto nível de tecnologia.

Frente a esse cenário, vale a pena fazer a pergunta: o que o empreendedor pode aprender com a China, esse país que passou de imitador para inovador, ao longo da sua trajetória? Para saber a resposta continue com a leitura deste artigo e confira as informações presentes nos tópicos a seguir.

  • Trajetória de inovação da China ao longo do tempo
  • Como os empreendedores podem se inspirar na China

Trajetória de inovação da China ao longo do tempo

Muitas pessoas podem não saber, mas a China é tida como a maior economia do mundo em 18 dos últimos 20 séculos. Para ter uma ideia da sua trajetória de sucesso, o país representava 30% da economia em todo o mundo no ano de 1400.

No entanto, diferente dos povos europeus, eles não promoveram grandes navegações com o intuito de expandir o seu domínio territorial, bem como o seu comércio. Mas sim, investiram em estratégias para se defender dos inimigos, o que os levou a construir gigantescas obras, a exemplo da Muralha da China.

Ao longo dos séculos, por outro lado, a China também passou por alguns problemas que prejudicaram o seu desenvolvimento e destaque na economia global. Entre eles, é possível citar a Guerra do Ópio no século XVIII, a explosão populacional e a ascensão do Imperialismo do governo britânico.

A situação começou a mudar a partir da metade da década de 1970, quando o presidente Deng Xiaoping instaurou um regime capitalista de estado autoritário. Como consequência, iniciou uma importante abertura econômica, além de investimentos em urbanização e reorganização geográfica.

Tudo isso contribui para que, principalmente, as cidades do litoral chinês se tornassem grandes potência, como é possível verificar atualmente. Além disso, mais do que metade da população, que é a maior em todo o mundo, vive nas zonas urbanas.

Isso quer dizer que é imenso o número de pessoas que precisam de moradia, escola, hospital e muitos outros serviços, o que fez com que ocorresse o boom da economia chinesa, em especial, motivado pela construção civil.

Hoje em dia, muitos dos computadores, celulares e painéis solares que são consumidos em todo o mundo não são só fabricados na China como também desenvolvido pelos seus profissionais. E mais, devido a sua trajetória, já ocupa uma das primeiras posições do ranking das principais potências mundiais.

Como os empreendedores podem se inspirar na China

Entre os principais fatores que contribuíram para o crescimento exponencial da economia chinesa nos últimos anos está o investimento massivo em ciência, tecnologia e inovação.

Esses aspectos foram, inclusive, os responsáveis por fazerem as empresas chineses deixarem de imitar outras marcas para começar a desenvolver e fabricar os seus próprios produtos. Por isso, empreendedores que desejam se inspirar na China devem fazer o mesmo tipo de investimento.

Para se destacar no mercado global, hoje em dia, tecnologia e inovação são essenciais. No país asiático, entretanto, a iniciativa não depende apenas dos empreendedores, uma vez que o investimento adequado foi realizado em conjunto, reunindo também governo e academia, além das empresas.

Além disso, para o desenvolvimento da tecnologia, muita pesquisa foi necessária, o que acontece por meio dos parques científicos e tecnológicos, instalados nas principais cidades chinesas.

Um dos principais focos em termos de inovação chinesa é a inteligência artificial, fazendo com que o país, atualmente, divida a liderança no setor com os Estados Unidos. A imensa população do país também contribui para o seu sucesso.

Isso ocorre porque a inteligência artificial tem como base a coleta e análise de dados e sendo a China a nação mais populosa do mundo, os chineses são os que mais conseguem reunir informações para desenvolver a tecnologia. E claro, é onde há um maior número de celulares inteligentes.

Outro fator que ajuda em muito todo esse processo é o fato de haver um imenso número de engenheiros do país, principalmente, da ciência da computação. E mais, os chineses costumam ter expedientes de trabalho de 12 horas, com apenas um dia para o descanso.

Portanto, empreendedores brasileiros devem cobrar do governo federal mais investimento em pesquisa nas universidades, bem como parcerias com empresas inovadoras de outros países. É necessário ainda fomentar o interesse em tecnologia e inovação nos bancos universitários.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *